17ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip)

Encontros e batalhas de poesia fizeram parte da Flip Slam, preparada pelo Museu da Língua Portuguesa para integrar a programação oficial da festa.

Período: 10/7/2019 a 14/7/2019

O Museu da Língua Portuguesa promoveu o primeiro slam internacional da história da Flip, em 2019. A batalha de poesia falada Flip Slam fez parte da programação principal da Festa Literária Internacional de Paraty, reunindo poetas de seis países. Também promovido pelo Museu, no dia 13 o Slam da Língua Portuguesa teve apresentações de artistas brasileiros e microfone aberto para participação do público. Na programação principal, o Museu apresentou, ainda, mesa literária com a participação do músico e escritor angolano Kalaf Epalanga.

Com curadoria de Roberta Estrela D’Alva, uma das pioneiras do movimento slam no Brasil e uma das consultoras de conteúdo do Museu da Língua Portuguesa, o Flip Slam foi realizado no Auditório da Praça com a participação dos poetas e performers Pieta Poeta (Brasil), Edyoung Lennon (Cabo Verde), Raquel Lima (Portugal), Porsha Olayiwola (EUA), Joelle Taylor (Inglaterra) e Salva Soler (Espanha).

Já o Slam da Língua Portuguesa, promovido pelo Museu na Casa Globo, recebeu poetas da cena do slam e os participantes do slam internacional falantes de Língua Portuguesa para abrir a batalha de poesia falada, com jovens da região e participação do público.

As ações do Museu consolidaram uma trajetória de dois anos de colaboração com a Flip, em sinergia com o conteúdo do Museu, incorporando em seu conteúdo a oralidade e as novas linguagens, como o slam. A iniciativa foi da Fundação Roberto Marinho e do Governo de São Paulo, com patrocínio da EDP, Grupo Globo e Itaú Cultural.

Já na mesa apresentada pelo Museu da Língua Portuguesa no dia 11/7, o músico e escritor angolano Kalaf Epalanga – líder do Buraka Som Sistema, agitador cultural e autor que vive hoje entre Lisboa e Berlim – conversou com o rapper e romancista Gaël Faye, natural do Burundi e criado na França, com mediação de Marina Person. Com romances de estreia de inspiração autobiográfica, os dois autores tocam em questões como guerra, imigração africana para a Europa, a violência e a afetividade deixadas para trás, além da descoberta da arte como forma de traduzir e reconfigurar tais experiências.

Fechou a programação do Museu a exposição interativa “A Energia da Língua Portuguesa”, promovida pela EDP, incluindo shows de Adriana Calcanhotto, do português Dino d’Santiago e  do rapper Vinicius Terra.

_DSC4478_DxOJpeg
_DSC4693_DxOJpeg
_DSC4749_DxOJpeg
previous arrow
next arrow
 
Translate »
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
 
O conteúdo do nosso site pode ser acessível em Libras usando o VLibras