Estação Férias – Palavra com Raiz, de 9 a 28 de julho, grátis

Atividade inclui brincadeiras, oficinas e apresentações artísticas que dialogam com a exposição temporária Línguas africanas que fazem o Brasil

Estreia no dia 9 de julho, terça-feira, feriado no Estado de São Paulo, o projeto Estação Férias – Palavra com Raiz. Trata-se da principal atividade das férias do meio do ano no Museu da Língua Portuguesa, instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo. Até 28 de julho, sempre de terça a domingo, das 10h às 17h, crianças de todas as idades e suas famílias terão acesso a brincadeiras e oficinas que dialogam com o tema da exposição temporária Línguas africanas que fazem o Brasil. Aos fins de semana, haverá apresentações artísticas de dança, palhaçaria e capoeira, entre outras.  

Para esta ação, uma grande árvore Baobá, símbolo de resistência e ancestralidade africana, será instalada no centro do Saguão B. Partindo dos troncos desta árvore, que representarão as línguas bantu, as oficinas e intervenções interativas e afetivas vão revelar as influências e presenças das culturas africanas na cultura brasileira. As atividades serão oferecidas pela organização Piraporiando, cujo trabalho se baseia na educação antirracista.  

O público não precisará pagar nada para participar da Estação Férias – Palavra com Raiz. Tampouco para entrar, aos sábados e domingos, nos espaços expositivos do Museu e visitar a exposição permanente e a mostra temporária – nos outros dias da semana, o ingresso custa R$ 24 (inteira) e R$ 12 (meia). Crianças até 7 anos não pagam. 

De terça a sexta-feira
Durante a Estação Férias – Palavra com Raiz, às terças e quintas-feiras, às 10h30 e às 14h30, o público terá acesso ao conto Histórias de um mundo nem tão distante assim; e às 11h30 e às 15h30, à história Kauara. Enquanto prestigiam essas duas contações de histórias, poderão participar da Oficina Pintura de Cabaças, conectando o que estão ouvindo com a cultura tradicional de povos africanos. 

Já às quartas e sextas-feiras, as histórias contadas serão Nuang: Caminhos da Liberdade, com uma oficina de criação, por meio de desenhos e colagens, dos cabelos das mulheres da tribo Nuang (às 10h30 e às 14h30); e Escada, com uma oficina de escrita de cartas (às 11h30 e às 15h30). 

As crianças e suas famílias ainda poderão brincar com três jogos relacionados às culturas africanas e afro-brasileiras. Eles estarão espalhados pelo Saguão. Haverá, por exemplo, um jogo com palavras do tronco linguístico bantu, por meio do qual o público terá acesso à presença de línguas africanas no português falado no Brasil. Já no Jogo da Memória – Adinkras, será possível identificar e reconhecer esses símbolos presentes nos gradis de residências espalhadas pelo país. Por fim, no Jogo Mancala, a matemática será colocada em prática a partir dos conhecimentos e práticas dos povos da África. 

No fim de semana
Aos sábados e domingos, sempre às 11h, haverá performances artísticas abrangendo música, dança, cortejo e palhaçaria, entre outros. 

No dia 13 (sábado), o convidado será o Afoxé Omi Aiye, que fará uma apresentação de dança afoxé. No dia 14 (domingo), o grupo KalungaErê mostra o espetáculo Cacuriá Brincadeiras Encantadas em que explica as contribuições das comunidades afro-brasileiras na cultura do país por meio do brincar, do dançar e do cantar. 

No segundo fim de semana, as atrações serão: dia 20 (sábado), a Cia Dundú com o espetáculo de palhaçaria Sede de que?, e dia 21, o Grupo Afro Babalotim com a coreografia Sou Negra Raiz. 

Para fechar a programação, no último fim de semana de julho, nos dias 27 e 28, o coletivo Gingaê Camará sai em um cortejo e realiza roda de capoeira no sábado. No domingo, promove uma intervenção com as danças maculelê e jongo – esta performance vai começar às 14h. 

Aos fins de semana, os jogos estarão disponíveis para o público, mas não haverá as oficinas. 

Exposição temporária
A mostra temporária Línguas africanas que fazem o Brasil apresenta a presença do iorubá, fon, quicongo e outras línguas de África no português falado no Brasil. Para isso, o curador do projeto, o músico e filósofo Tiganá Santana, se vale de experiências audiovisuais e interativas e também obras de arte. 

Um dos destaques são os adinkras espalhados pelas paredes da exposição. Trata-se de símbolos utilizados como sistema de escrita pelo povo Ashanti, que habita países como Costa do Marfim, Gana e Togo, na África. Eles podem representar desde diferentes elementos da cultura até sentenças proverbiais inteiras em um único ideograma. Evidenciando a presença desse povo como parte da diáspora africana, é possível encontrar, em diversas regiões do Brasil, gradis de residências e outras construções arquitetônicas adornados com alguns dos mais de 80 símbolos dos adinkras.  

A exposição conta com patrocínio máster da Petrobras, patrocínio da CCR, do Instituto Cultural Vale, e da John Deere Brasil; e apoio do Itaú Unibanco, do Grupo Ultra e da CAIXA.   

SERVIÇO
Estação Férias – Palavra com Raiz
De 9 a 28 de julho (de terça a domingo), das 10h às 17h 
No Saguão B e Pátio B
Grátis  

De terça a sexta-feira
Contação de histórias, oficinas e jogos lúdicos 

Aos sábados e domingos
Jogos lúdicos e apresentações artísticas 

Exposição principal e mostra temporária Línguas africanas que fazem o Brasil   
De terça a domingo, das 9h às 16h30 (com permanência até as 18h)         
R$ 24 (inteira); R$ 12 (meia)                    
Grátis para crianças até 7 anos                              
Grátis aos sábados 
Grátis aos domingos (até 31 de agosto)         
Acesso pelo Portão A                              
Venda de ingressos na bilheteria e pela internet                              

Translate »
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support